quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Tempo...Memórias...

Fim de ano chegando, quase dezembro, outro dia estava atrás do trio, ontem estava curtindo o "frio" do São João, parece que acabei de chegar de férias. Tempo, diminui a velocidade ou até o final do dia vou virar balzaquiano antes do tempo regulamentar...                                                

Deve ser a "magia" de fim de ano, esse sentimento de saudade daqueles que já fizeram parte da nossa história, saudade da própria história. Há que se confessar que sou daqueles fascinados pela história, pelo passado e pelos antepassados. 

Hoje, justamente quando buscávamos informações sobre um dos centenas de invisíveis desta cidade, as nossas próprias histórias batem a nossa porta como que por encanto e todas aquelas lembranças voltam sem pedir licença. Sem perceber, me dei conta que nossas lembranças tem cheiro, gosto, som e até a ausência de som são componentes importantes.

Sempre gostei do cheiro de "maresia", aquele produzido pelas algas no mar. Me dei conta que esse cheiro me transporta para as férias de minha infância quando chegava na Ilha de Itaparica, em Vera Cruz, mais precisamente em Conceição, onde passei boa parte de minhas férias de verão junto com familiares: avós, tios, primos...etc, e as diversas e divertidas histórias (lembranças)...

O cheiro da chuva, ao contrário, lembra da minha infância em Ipirá. Desde pequeno quem mora no sertão aguarda ansiosamente a chuva e com ela toda a mudança no tempo seco e árido do sertão. Cheiro de chuva significa esperança, colheita e fartura...

Som. Música. Falar de música que faz parte da história é "chover no molhado", todo mundo tem as suas. E a ausência de som? Quando passo pelas grandes avenidas de vale de Salvador sinto falta do canto das cigarras, fico feliz quando escuto uma que seja em uma dessas madrugadas da cidade. O que teria acontecido com as cigarras que ninavam meu sono de volta para casa em Salvador? Neste caso, pode-se chamar de "memória surda".

Será o efeito do tempo?

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Operação Caixa de Pandora

Só agora vi que o título deste escrito lembrei que não tinha comentado ainda a eleição da primeira mulher presidente (ou presidenta) do país. Para as mulheres é um momento de júbilo uma vez que uma mulher ocupará o cargo mais importante do país tendo sido eleita pela via democrática pela maioria dos eleitores que compareceram às urnas no segundo turno das eleições gerais.

Apesar de representar a histórica (esse adjetivo perdeu muito significado nesses últimos anos porque todo acontecimento, governamental principalmente, era retratado como tal) ascensão das mulheres ao poder, todas as paredes do recém-reformado Palácio do Planalto sabem que a neo-presidente estará ocupando o local apenas pela surpreendente transferência de votos do seu padrinho, o Lula. Portanto, há que se considerar uma eleição histórica "parcial".

Voltando ao tema, e ainda falando de Dilma, durante toda a campanha considerava uma temeridade votar em uma pessoa desconhecida para a presidência. Pois bem, menos de 48 horas depois surge de um governador aliado do governos (atual e próximo) a idéia de recriar a CPMF, destituída em 2007 por força e pressão da sociedade. Antes de eleita a candidata Dilma falava em diminuição na exorbitante carga tributária do país , agora tem a desfaçatez de declarar que "aceitava" discutir a volta do tributo. Élio Gaspari chamou de estelionato eleitoral, sorte minha que eu não me encontro entre as vítimas do golpe...

Vítimas são todos os estudantes que se submeteram ao ENEM neste fim de semana. Pelo segundo ano consecutivo o Exame é marcado por denúncias, escândalos que denunciam ineficiência e incompetência. Lula (ele mesmo tem sua própria caixa) declara que o ENEM é um sucesso!?
Não tão vítima também é o povo brasileiro que escuta calado, deitado e dormindo em berço esplêndido, o deus encarnado do cinismo declarar que o aumento do salário de deputados federais, senadores e da presidente eleita é questão de "justiça". Ele finge (?!) não saber que o aumento gera efeito cascata em todos o país, autorizando deputados estaduais, governadores, prefeitos e vereadores também aumentarem os próprios salários também.

A produção de absurdos, infelizmente, acontece aqui também na planície. Acredite, há aqueles que defendem a volta da CPMF. Primeiro argumentam dizendo que é um imposto para os ricos, depois de explicado que é um tributo que atinge igualmente toda a população o mesmo transforma-se, como que por encanto, em uma irrisória contribuição individual e para terminar, de volta ao início, dizem que Dilma vai precisar, etc. O Estado brasileiro bate recordes de arrecadação de tributos, mais transparência, menos corrupção e recursos destinados à saúde não precisa de novos impostos. Reforma Tributária já!

A vida é uma caixa de surpresas!? Com uma frequência cada vez maior tem sido uma verdadeira Caixa de Pandora! Quando eu penso que  a cota de absurdos do ano foi extrapolada sempre aparece mais um...
Comente. Concorde. Discorde. 

sábado, 23 de outubro de 2010

A Constituição Federal não é uma bolinha de papel!

No próximo dia 31 de outubro os cidadãos brasileiros voltarão às urnas para decidir, em 2º turno, quem governará o país e alguns estados pelos próximos 4 anos. Digo quem porque vamos escolher os ocupantes de cargo executivo, os gestores públicos e deveríamos usar critérios como experiência na vida pública e experiência na vida política porque antes de tudo o presidente ( (governador e  o prefeito) é um cargo de natureza política, que tem que fazer escolhas políticas e saber lidar com os parlamentos, ou seja, negociação política. A candidata Dilma (PT) não tem nenhuma.

Nós brasileiros, quando chegarmos à cabine de votação no próximo domingo, vamos decidir não apenas quem serão os futuros gestores, mas o que pensamos sobre a Democracia, o Estado Democrático de Direito e a Constituição Federal. 

A campanha do 2º turno foi marcada pela volta de Lula aos programas eleitorais de Dilma, a questão da privatização das empresas no governo FHC e a discussão sobre o aborto. 

A volta de Lula à campanha eleitoral demonstra que a candidata Dilma é apenas um fantoche, ou uma boneca de ventríloco, segundo o jornalista Ricardo Noblat, que vive a repetir literalmente o que fala seu criador. Já o jornalista Samuel Celestino, em um artigo publicado no seu blog, falou o que todo mundo sabe, Dilma é uma brasileira desconhecida, cujo perfil ninguém conhece.  

A questão das privatizações é uma história superada e pode ser contestada por uma simples pergunta: Se as privatiações das empresas estatais foram tão prejudiciais ao Estado brasileiro porque durante estes 8 anos o governo do PT não reverteu nenhuma delas e ainda impediu que o fizessem? Sim, o deputado federal do PT cearense José  Guimarães, irmão do deputado federal e ex-presidente do PT nacional José Genoíno, em parecer na Comissão de Assuntos Econômicos da Câmara Federal destacou que a Vale privatizada gera muito mais benefícios aos brasileiros hoje do que na época em que era estatal, com a geração de empregos, pagamento de impostos, produção e exportação.

De outro lado, a questão da privatização do Pré-Sal é ridícula já que o governo Lula "privatiza" os campos ao conceder a permissão de exploração a empresas estrangeiras e o faz porque esta é o modo mais lucrativo para o Brasil. Por outro lado, quando as instalações da Petrobrás foram invadidas, os funcionários constrangidos e os bens usurpados pelos governos da Bolívia e Equador - cujos presidentes são amigos de Lula - os dirigentes do PT não só condenaram como aplaudiram o absurdo. 

Falando em aplaudir o absurdo, como um presidente da República (e de todos os brasileiros) se comporta como um mísero militante partidário que, ao invés de condenar uma agressão aos seus opositores, agride ainda mais os adversários acusando uma violência comprovada de ser uma farsa. Não é de estranhar que siga a cartilha do operador do mensalão José Dirceu, processado no STF pelo MPF de vários crimes, que em discurso na tribuna da Câmara diz que os "adversários devem apanhar na rua e nas urnas".

Este mesmo presidente que a todo momento condena a imprensa e chama de golpismo qualquer reportagem que desmascara os escândalos de corrupção do overno. Golpista, aliás, virou todo aquele que discorda ou critica o governo Lula. Durante o governo, várias foram as tentativas de criar meios de censura à imprensa, chamado de "controle social". Não duvido que caso a desconhecida se eleja, tentará terminar o que o seu mentor começou. O jornalista Franklin Martins está em viagens para conhecer programas semelhantes, provavelmente foi à China, à Cuba e à Venezuela.
No afã de eleger a qualquer custo sua candidata o presidente não separa o presidente do militante e faz política em eventos oficiais, o que é proibido por lei, aliás, fez isso apresentando a sua candidata há mais de 2 anos pelo país e sem nenhum remorso. Ontem o TSE condenou a ex-ministra Erenice Guerra, braço direito e substituta de Dilma, investigada por vários crimes e irregularidades, a multa por utilizar o site do ministério para fazer críticas ao candidato adverário. Erenice, que segundo Lula, foi escolhida por ele, porque  parece que a candidata Dilma não tem capacidade para escolher nem mesmo seus assessores. Ela vai ter que explicar, no entanto, as denúncias sobre seu amigo Cardeal.

A questão central é, no entanto, a celeuma em torno da vergonhosa agressão ocorrida no Rio de Janeiro contra o candidato da oposição e sua militância que foi impedida de continuar a promover seu ato político por militantes petistas organizados por um líder e empunhando bandeiras do partido, além de agredir o candidato.

Querem, porém, desviar o foco da atenção para a repetida mentira que o candidato José Serra foi atingido apenas por uma bolinha de papel e que este fato memorável e desagradável se resume a isto, fazendo gracejos e piadas de muito mau gosto sobre o episódio. Ensinou o ministro da propaganda nazista Goebbles que uma mentira repetida exaustivamente torna-se verdade e esta tática que o petismo tem usado.

O que se discute é o direito do candidato da oposição fazer sua manifestação política sem qualquer constrangimento, sem ser agredido e impedido por militantes da "polícia política do PT". Todos os principíos, direitos e garantias constitucionais como a Liberdade de Expressão, Direito de Reunião, Direito de ir e vir estão sendo amassados como uma bolinha de papel e arremessados na cabeça daqueles que criticam e denunciam os absurdos e escândalos do governo Lula e as deficiências e contradições, cada vez mais visíveis, da candidata governista!

Se me chamarem de golpista converterei a ofensa em elogio e vou traduzir como se constituicionalista e democrático fosse...

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Janela para o futuro (a democracia)

Janela de onde discursava Benito Mussolini
No dia 03 de outubro de 2010 eu não estava no Brasil portanto não tive a oportunidade de exercer a minha cidadania plena, qual seja, votar para os principais cargos do país. Daqui de longe, entretanto, continuei a emitir minhas opiniões e até mesmo a declarar na véspera nas redes sociais quais candidatos teriam meu voto caso estivesse no país.
Precisamente no domingo, dia das eleições, amanheci meu último dia em Roma onde estava desde a sexta-feira explorando todo o centro histórico da capital do Império Romano, da Cidade do Vaticano, de uma das potências do chamado Eixo da II Guerra Mundial, país para onde os pracinhas brasileiros foram lutar contra o nazi-fascismo na década de 40.
É no nazi-fascismo que eu começo de fato este escrito. A janela acima neste prédio é de onde o ditador Benito Mussolini discursava, na Praça Veneza, onde também fica o Monumento a Vittorio Emanuele II, primeiro rei da Itália, local de onde partiam as grandes manifestações de apoio ao regime fascista.
Lembrei desta janela quando na madrugada de segunda-feira por aqui o TSE informou a realização do 2º turno para as eleições presidenciais. Neste momento, estaria a se perguntar, qual a relação da janela de Mussolini com o 2º turno no Brasil? 
Monumento a Vittorio Emanuele II
No momento em que discursava para seus partidários da janela o ditador Mussolini imaginava que teria o poder eterno e o controle absoluto sobre toda a Itália e seus cidadãos. Enganou-se ao ser deposto e encarcerado pelo Grande Conselho do Fascismo logo após a invasão dos aliados. Depois de morto pela resistência italiana no Lago de Como seu corpo ficou expost0 à execração pública em Milão.
Não estou a comparar Mussolini com qualquer político brasileiro, entretanto, o presidente Lula em alguns momentos da campanha eleitoral comportou-se de forma fascista atacando a liberdade da imprensa que denunciava escândalos no ministério de sua candidata. Durante  um comício teve a desfaçatez de dizer que a opinião pública era o governo e o seu partido e a infeliz declaração pregando a extinção de um partido político opositor, o Democratas (DEM).
Passado o primeiro turno, patente ficou a existência no país de uma resistência democrática que luta contra este tipo de comportamento de políticos, seja ele quem for. O povo brasileiro abriu uma janela, principalmente os marineiros (apoiadores de Marina Silva) que conquistaram a expressiva votação da acreana, quase 20 milhões de votos!
Os brasileiros decidiram que a escolha de Lula precisa ser melhor avaliada, e que o nosso destino não pode ser decidido por um governante popular e uma população  que simplesmente ratifica como se uma procuração em branco fosse. O povo brasileiro abriu uma nova janela, uma nova oportunidade para o exercício da democracia. Este movimento, espero, venha a freiar novos arroubos fascistas por parte do presidente e seus aliados.
Importante ressaltar que minha opinião sobre a candidata governista Dilma (PT) continua a mesma. Desconheço a candidata que continua se escondendo atrás de Lula, inclusive no episódio do escândalo de sua substituta e braço-direito Erenice Guerra.
Durante a campanha no 1º turno Lula exaltou as qualidade de gerente-executiva do governo e que a candidata estava envolvida em todos os principais programas federais. Quando estorou o escândalo, Lula trouxe para a si a responsabilidade de escolha da principal assessora da ex-ministra e depois também da nomeação dela como substituta.
Conclusão. Se o presidente Lula escolheu até mesmo a assessora direta e principal da candidata, na época ministra, e ela, conforme declarou, nada sabia do que acontecia no seu ministério a dedução é que a Dilma é como a rainha da Inglaterra, reina mas não governa.  Até mesmo sua principal assessora ela não teve a competência de escolher. Ou seja, é uma pessoa despreparada para assumir a presidência e até mesmo ser síndica de um condomínio. Por outro lado, se ela tinha controle do pasta que conduzia e sabia dos negócios da família de sua assessora e braço-direito, mas não fez nada, fato comprovado este, também não serve para a presidência. 
Comente. Concorde. Discorde.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Conhecer a história e viver a história

Faixa na festa das Mercês
Barcelona é mesmo uma cidade sui generes aqui na Espanha, porque possui toda uma atmosfera (não sei se é essa a palavra) diferente, uma cidade cosmopolita cheia de gente do mundo todo que mora aqui, em especial mulçumanos, indianos e paquistaneses. Sobre esses últimos, muitos deles são donos de pequenas mercearias de bairro onde são encontrados artigos de primeira necessidade, pois bem, quando os barceloneses precisam de alguma coisa eles indicam um "PAC" em referência aos paquistaneses. Sabe o lugar onde se encontra de tudo? No "Chino", a nossa loja de "R$ 1,99".
Mas a cidade é muito mais que isso. Na festa das Mercês, padroeira daqui, toda a cidade foi tomada por música e apresentações artísticas e culturais, uma delas é típico do país, com origem em Valência, eu acho, são os Castellers (pirâmides humanas) que juntou uma multidão para assistir a final da competição. Assim que começaram as apresentações uma enorme faixa desceu  (ao som de aplausos) sobre um edifício conclamando a população a votar pela aprovação da independência da Cataluña, hoje uma região autónoma.
O catalão é diferente do espanhol, assim como devem ser os bascos. A língua, a história, a culinária, a arte, a cultura, enfim... Há muito tempo os bascos e catalãos tentam se tornar independentes, mas acho muito difícil que aconteça.
Falando sobre a história catalã, há grandes retratos no centro histórico da cidade mostrando o estrago que a ditadura de Franco fez na região. Além de destruir diversos monumentos e castelos em toda a Cataluña, era proibido falar o catalão sob pena de morte. Exatamente por esses motivos o povo faz questão de falar o catalão, pendurar a bandeira nas casas e carros e torcer pelo Barcelona primeiro, segundo... e por último a Espanha, desde que a seleção tenha por base o time do local.
A Barcelona moderna, pós-Olímpiadas, mostra como uma cidade pode trazer benefícios permanentes para a população depois de um grande evento: sistema de transporte que inclui metrô, ônibus e trens, construção do centro de convenções (agenda até o fim de 2011) e do porto da cidade antes abandonado e muito mais.
O catalão conhece a sua história, tem orgulho dela e impede que qualquer um venha "reescrevê-la". Nós brasileiros temos muito o que aprender com o povo catalão.
Ainda sobre o aprendizado, hoje foi dia de greve geral em toda a Espanha (e também nas capitais européias) para protestar contra as medidas tomadas pelo presidente para amenizar os efeitos da crise, a principal delas, a reforma trabalhista.
A Espanha é monarquia parlamentarista, cujo primeiro-ministro Jose Luiz Zapatero é filiado ao PSOE, portanto, de um partido de esquerda historicamente ligado aos sindicatos. Esta ligação não foi impedimento para que milhares de pessoas aqui e nas principais cidades do país fossem as ruas protestar contra tais medidas e criticar governo e presidente. 
Do lado de cá do atlântico nem sinal de peleguismo, ao contrário de um país tropical...
Organização do protesto
Greve Geral significa pára tudo mesmo! Nada funcionou durante o dia todo na cidade e o sistema de transporte estava a 20% de sua capacidade, até menos eu acredito. No começo da tarde, na principal praça, osradicais fizeram piquetes em frente a bancos e entraram em confronto com a polícia chegando a queimar um carro. Foi no final da tarde, porém, que parecia que toda a população da cidade estava reunida em um só lugar, o Paseo de Gracia.
Passeo de Gracia tomado por manifestantes
Milhares e milhares de pessoas se concentraram no alto da avenida para marchar até a Cataluña e no caminho centenas de pessoas com cartazes feitos em casa se juntavam a multidão. Famílias inteiras participaram, levaram até carros de bebê ou no colo, outras esperavam nas calçadas e mostravam para os pequenos a quantidade de gente na cidade.
No começo da tarde estava na Cataluña acompanhando os protestos e pensava que saía dali a manifestação, só que vi muita gente subindo e subindo. No meio do caminho, perguntei a um fotógrafo, diante de um mar de gente que surgiu na minha frente, se a manifestação iria até a praça ele disse que sim e perguntou quem eu era, disse que era um brasileiro em férias, ele respondeu que a minha curiosidade ia me fazer entrar na história, perguntei por que, esse dia (29-5) iria para os livros de história... 
Ouvir que uma greve geral deste porte não acontecia há anos por estas bandas, tomara que ele tenha razão...

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Em Barça, viva Barcelona! (Diário de Bordo)

ISSO É BARCELONA!
Quando estudamos história, aprendemos esta frase: ¨Em Roma, aja como os romanos¨ e tudo correrá bem. Estou tentanto aplicar diariamente este lema durante a minha estadia aqui no Velho Continente e vou confessar, nao é muito difícil....
Toda viagem começa e termina cheia de histórias, e a minha não ia ser diferente. Para começo de conversa, assim que embarquei em Salvador conheci uma senhora chamada Denize, agrônoma do Ministério da Agricultura que estava indo para Santiago de Compostela (ela já fez o caminho três vezes) jà que este é o Ano Santo Jacobeo (porque o dia da festa caiu em um domingo) e tem toda uma liturgia especial por causa desta coincidência.
Conversamos muito, sobre vários assuntos... Ao chegar na Imigraçao ela tinha prioridade porque o seu vôo era cerca de 1h30 depois da nossa chegada, nos despedimos muito rápido, mas vou tentar encontrá-la nas redes sociais...
Ainda conheci um cara, Luiz, que estava indo para Munique para comemorar os 200 anos da Oktoberfest com uns amigos. Antes passará por Barcelona, nao sei se vamos nos encontrar, mas estou pensando em ir para a Alemanha...
Cheguei aqui com vários documentos provando que eu voltarei para o Brasil, sorte que nao precisei deles. O cara da Imigraçao fez as perguntas de praxe, apenas me pediu para mostrar a passagem de volta. Começamos a conversar e ele me perguntou o que eu fazia, disse que era advogado e que trabalhava como procurador. Aí, a pergunta de sempre, mas com essa idade? Daí mostrei meus cabelos brancos... Depois ele me perguntou como estava o Direito no Brasil, disse que estava tudo bem, principalmente na minha área, nao sei se estava me testando. Depois que me despedi fiquei a me perguntar se ele estava falando proofissionalmente ou sabia do desrespeito às leis no nosso país, a começar pelo presidente e sua candidata...
Saindo do aeroporto, por volta de 8h, fui procurar o ônibus que faz a ligaçao direta com o centro de Lisboa. Nao esperei muito (já que sai de 20/20min) e rumei para o Rossio. Era manha, a temperatura estava agradável por isso decidi entao conhecer o Castelo de Sao Jorge.
Da Praça Dom Pedro IV onde estava, o Castelo nao parecia tao longe assim. Só sei que fui caminhando e subindo as ladeiras no começo da manha de sábado sem pressa, sem horário, sem lenço, mas com documentos com certeza! Demorei cerca de 40 minutos até chegar ao topo. Para entrar no Castelo fui pagar a entrada quando o cara olhou para mim e perguntou porque eu estava daquele jeito (cansado, etc) e entao disse que tinha chegado a pé. Ele riu e me disse. "Você sabe como Lisboa é conhecida?", respondi com um ofegante nao, e ele me respondeu: "Lisboa é conhecida como a Cidade das 7 Colinas e voce resolveu subir a mais alta delas a pé?!". Respondi assustado que nao sabia, era brasileiro em férias, foi quando ele disse: "Pois quando voltar nao esqueça de contar essa façanha..." Mal sabe ele que nem voltei e já estou compartilhando este fato surpreendente aqui...(rs)
Ao entrar no Castelo pude contemplar uma linda vista de Lisboa e para minha surpresa um submarino apareceu para patrulhar a costa. Foi quando conheci um casal simpático, Mario (italiano) com esposa Vanessa e filha brasileiras. Começamos a conversar, visitamos juntos o Castelo e na saída fiquei sabendo que eu poderia ter subido a colina de bonde, mas tudo bem! Fui ao jardim perto do palácio, pegamos o bonde e descemos até o Rossio onde almoçamos. Nos despedimos, trocamos e-mails e eu seguir até a Praça do Comércio, passei pelo Chiado e fui até o Cais do Sodré. Durante a caminhada a artista mais ouvida nas lojas de souvenirs era Ivete Sangalo...
Chegando ao Cais do Sodré peguei o ônibus de volta ao aeroporto para chegar aqui em Barcelona. Sem descansar fui para a Boate Razzmatazz, que é enorme, há várias saloes de rock, música eletronica com os amigos de minha irma até as 6 da matina quando o local fechou. Barcelona tem vida noturna todo dia, depois fui ao Sugar, barzinho maneiro, hoje vou ao Sub Rose, quinta começa a Festa das Mercês, em Barça, Viva Barcelona!
Férias...férias...férias....

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Sem saída ou ciclos ou a volta dos que não foram ou ressonância...

Aprendemos na escola que a história é feita de ciclos (e que se repetem), ou seja, anos de evolução e outros de regressão se alternando desde o início dos tempos (confesso que este final é meu!). Por que todo esse pensamento? Qual foi o fato que desencadeou toda esta lembrança dos tempos de escola? 
Nada mais, nada menos que a volta - depois de 4 anos - do ditador cubano Fidel Castro à cena política, com toda pompa e circunstância e em um daqueles discursos intermináveis nas escadarias da Universidade de Havana. Como não poderia ser diferente, qual foi assunto preferido do ditador preferido (que Ahmadinejad não me ouça) do presidente Lula? Como alguém que acabou de conversar com o  Nikita Kruschev ou criticar o ex-presidente dos EUA Kennedy, o egresso do Muro de Berlim discursou diante de milhares de estudantes do perigo iminente de uma guerra nuclear entre EUA e Irã. É claro que o evento foi transmitido por todos os (únicos) meios de comunicação oficiais da ilha. Ontem,  também foi divulgada entrevista a um jornalista norte-americano em que o mesmo reconheceu que o modelo cubano não funciona mais, criticou o anti-semitismo do outro ditador admirado por Lula e lamentou a crise dos mísseis entre EUA e URSS na época da Guerra Fria.  Será que el comandante usa a estratégia "mudar para permanecer"?
Outro fato que contribuiu para todo este questionamento foi o fato deplorável do governo francês decidir expulsar os ciganos do país, com o comportamento digno de um nazi-fascista do anos 30/40 ou de um expoente das idéias radicais da Idade Média e mesmo depois de tudo o que presenciamos na Guerra Civil Espanhola e na II Guerra Mundial. Parece que depois de algumas décadas de evolução, de afirmação dos direitos humanos, da liberdade de Woodstock e do maio de 68, da conquista da democracia na América Latina, o estado francês - criador do tripé "Igualdade, Liberdade e Fraternidade" - vem se comportando como o desencadeador do retrocesso.
Ao falar em décadas de 30 e 40, em história, basta olhar para o Brasil daquela época e relacionar com o período político atual. Se no passado tínhamos o Getúlio "Pai dos pobres", Lula nos presenteou com a "mãe do PAC e dos brasileiros" e  a agora "avó da nova geração" está em todo canto, não reparou? Impossível não lembrar nas lições as características do governo de Getúlio Vargas pós Revolução de 30: personalismo na figura do presidente, sindicatos (e associações sociais) pelegos ligados ao governo, perseguição aos opositores, até uma campanha midiática em torno do petróleo (atualmente pré-petróleo ou pré-sal?). É tudo mera coincidência?
Falando em coincidências, voltaram a cena política os chamados aloprados, conceito do presidente Lula para os militantes do PT especialistas em produção de dossiês contra os adversários, principalmente os ligados ao PSDB, mas que nada tem a ver com ele (óbvio e com o partido!). Os aloprados dilma figa desta vez estão lotados na Receita Federal, órgão que deveria ser o responsável por manter sigilosos os nossos dados, mas que está sendo utilizado para fins escusos com objetivos eleitoreiros. Pior que o fato em si é assistir o presidente da República e o seu partido culparem as vítimas por tais crimes.
Estamos em um beco sem saída? São ciclos da história? A volta dos que não foram? Ressonâncias?
Comente. Concorde. Discorde.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

O avesso da rebeldia

Caetano Veloso diz em Sampa que a cidade de São Paulo é o avesso do avesso do avesso... Me aproprio, sem sua permissão, da sua famosa frase "é o avesso do avesso do avesso" para caracterizar a juventude brasileira de hoje, principalmente aquela organizada nas associações estudantis.
Já faz muito tempo, ou não, em que eu também era jovem e apesar de não integrar nenhuma entidade, ou mesmo partido político, sempre procurava me colocar diante daquelas questões  principais do momento e mudar o mundo. Toda juventude sonha em repetir os feitos do maio de 68 em Paris, ou do movimento direitos civis nos EUA (Woodstock incluído!) ou ter participado da passeata dos Cem Mil no Rio, da campanha pelas Diretas ou mesmo ter sido jovem no levante democrático "Fora Collor". Quando jovem, queria ter participado desses movimentos...
Na minha juventude, porém, tive a oportunidade de participar de um movimento baiano que teve repercussão nacional que foi a luta para pedir a cassação dos senadores ACM e José Roberto Arruda por causa do escândalo da violação do painel do Senado. Coincidência ou não, a revolta estudantil - que depois contagiou outros setores da sociedade - passou para a história como maio de 2001.
Com a histórica eleição de Lula para a presidência tudo mudou e a juventude rebelde se calou. Quando eu poderia imaginar que o escândalo do mensalão do governo federal em 2005 não fosse indignar um jovem rebelde e revolucionário (eles se auto-intitulam deste jeito, revolucionário!). Ninguém foi as ruas protestar, pedir a punição dos culpados, lutar pela ética na política. Ao contrário (do avesso), os jovens avisaram que seriam - junto com os sindicatos (pelegos) e outros movimentos sociais (governamentais/oficiais) - o ponto de apoio para impedir investigações e outras medidas possíveis, como a possível cassação do mandato de Lula.
O final todos nós conhecemos, acabou em pizza! No ano passado, com o surgimento de denúncias contra a família Sarney jovens de todo o Brasil começaram a protestar - primeiro através da internet - e depois marcando manifestações contra a dinastia Sarney também pela rede. Ocorre que, nenhuma entidade estudantil organizou ou ao menos se juntou à juventude descontente por um simples motivo: as entidades estudantis desde o início do governo Lula estão aparelhadas e recebendo vultuosas quantias para continuarem como estão: inertes, mudas e sem ação. Uma rebeldia pelo avesso!
Corrigindo, no escândalo do mensalão do DEM de Brasília, a juventude militante de forma surpreendente acordou para lutar contra a corrupção alheia, ou seja, dos partidos de oposição  ao PT, que diferente do partido, expulsou dos seus quadros todos os envolvidos. Hoje, basta abrir o jornal e ler que José Dirceu(o operador do mensalão) é comandante da campanha de Dilma, assim como o Palocci (que quebrou o sigilo do caseiro)  é homem forte em um potencial governo da muié de Lula. E o Josias Gomes, mensaleiro que é candidato a deputado federal pela Bahia. Cadê a juventude revolucionária e rebelde? Eles podem ser encontrados na oposição do oficialismo, sempre que o partido detentor do poder seja contra o Lulismo. Deixou de ser luta política para se tornar luta partidária! Lástima!
Sobre a candidata governista parece que paira uma áurea de santidade das escolha de Lula. A juventude de outrora que sempre lutou contra todas as formas de coronelismo, desta vez, aceita de bom grado, sem reclamar, apenas porque o presidente escolheu! Conforme já disse no escrito anterior a candidatura de Dilma à presidência é uma afronta a Democracia, mas se for perguntar aos rebeldes revolucionários, a resposta é que Lula escolheu, que foi um governo popular, para impedir as privatizações e todo aquela retórica vazia que se contrapõem a realidade e aos fatos.  É o avesso do avesso do avesso da dita revolução e da rebeldia, é o marasmo, o governismo, o partidarismo puro e simples ignorando qualquer coerência história e política.
Não podia deixar de citar que muitos jovens (e adultos) ainda mantém uma admiração cega por regimes autoritários de viés socialista: Cuba e Venezuela são os maiores exemplos e agora o Irã por se tornar o símbolo do anti-americanismo. Onde está a rebeldia em apoiar regimes que censuram, que prendem e que matam aqueles que não "rezam na cartilha do governo"? É revolucionário nos dias hoje apoiar uma ditadura de 50 anos? É saudável apoiar um caudilho que fecha rádios e tvs, que implanta a censura nos jornais, que invade propriedades e que manda prender opositores, simplesmente por serem opositores? É típico de uma juventude celebrar uma ditadura que reprime manifestações políticas que deveriam ser livres?
Falando em rebeldia, nada melhor que terminar com uma declaração do estudante-símbolo, um dos líderes do maio de 68 em Paris, o político Daniel Cohn-Bendit hoje deputado do Parlamento Europeu pelo Partido Verde alemão, que diz muito do quadro político do Brasil:
"O perigo é a utopia levar a um certo absolutismo de ideias que se traduz na dissolução das estruturas democráticas do país, algo que Hugo Chávez está implementando na Venezuela. Uma utopia não pode ser a verdade absoluta. Sem o debate e a pluralidade, a política fica estéril. É importante que as novas utopias não caiam nas mesmas armadilhas das velhas".
Comente. Concorde. Discorde.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Dilma e eu



Por que o título? Não sei, apenas venho sendo compelido a explicar aos que me conhecem e sabem que já fui simpatizante do Partido dos Trabalhadores (PT), inclusive fazendo campanha para Lula nas duas últimas eleições, porque não vou votar em Dilma Roussef. Este escrito estava sendo gestado desde a semana passada, contudo, como expliquei no último post os fatos terminaram por suplantar as idéias, temporariamente.... Foi quando, no blog de minha amiga Lilian Simões, ao comentar sobre as eleições, surpreendentemente percebi que tudo o queria dizer, estava dito. Foi também a própria blogueira que me disse uma vez, "comentário não é post", portanto...
Começando pelo começo (que criatividade!) e antes de tudo, estou a falar de Democracia. Penso que um governante apresentar um nome para a sua sucessão e fazer campanha para o seu candidato é normal! Anormal e ilegal, é começar a fazer campanha há mais de dois anos, como foi no caso Lula/Dilma. 
Sendo o Brasil uma república presidencialista não basta um presidente popular de um governo popular indicar o seu sucessor, este tem que preencher alguns requisitos  mínimos como experiência pública e política, até porque estamos votando na pessoa que vai governar, no próximo gestor e não no seu padrinho político. É o mínimo de respeito às instituições e à democracia!
As pessoas que declaram o voto em Dilma  não o fazem por seus eventuais méritos, defeitos e qualidades, ao contrário, declaram voto porque ela é candidata do Lula. O simples fato de aparecer ao lado de Lula é motivo determinante para o voto. Ou seja, quem vota apenas é Lula, monocracia! Quem escolheu de fato e os seus reais motivos (os quais eu desconheço) foi Lula, os “eleitores de Dilma” apenas votam nela porque Lula indicou. Afinal, estamos em uma democracia ou uma monocracia cujo soberano Lula decide o futuro político do país?
Triste constatação, é o novo curral eleitoral “bolsa-famílico” no país.
As últimas pesquisas mostram que a “muié” do Lula (coitada da insossa e indiferente primeira-dama, D. Marisa Letícia, relegada a papel de concumbina uma vez que as pessoas identificam Dilma como “muié” do presidente) está cada dia melhor colocada apenas porque Lula a indicou, sua (in)competência, história, nada disso importa…
Se Lula decidisse eleger o saudoso e lendário bode preto de Ipirá para presidente da República todos votariam porque Lula simplesmente o indicou, independente de nós sabermos que o bode é apenas um bode.
Dilma é apenas Dilma, uma pessoa que nunca disputou uma eleição, é “cristã-nova” no PT e foi escolhida e imposta candidata porque os outros candidatos a candidatos do PT foram sugados por escândalos de corrupção ou impedidos por Lula.
Sobre a "experiência" dela no governo, o que dizer? A brilhante gestora Dilma, “a mãe do PAC”, é coordenadora de um programa que atingiu apenas 13% do previsto. Boa gestão? E sobre os programas de transferência de renda, não custa lembrar que foram criados ainda no governo de FHC, ganharam novos nomes e foram aperfeiçoados durante o governo Lula, assim como o “Luz para Todos”, etc.  O Fome Zero, principal menina dos olhos do presidente e do PT é um fracasso monumental! 
Os eleitores deveriam exigir dos candidatos à presidência o mínimo de experiência pública e política.  Para ser presidente é preciso saber negociar ou escolher quem vai negociar com o Congresso Nacional, os governadores e os prefeitos. Qual experiência ela tem? 
Falo isso como quem votou e sempre fez campanha para Lula, que ainda bem, não reestatizou nenhuma empresa privatizada (como foi que alcançamos a marca de milhões de celulares e aparelhos telefônicos?), a Vale hoje é maior exportadora do país gerando milhões de empregos, e principalmente continuou com a mesma política econômica do governo FHC (o atual presidente do Banco Central, Henrique Meireles, antes de ocupar o cargo foi eleito deputado federal pelo PSDB de Goiás).  É a economia que tira as pessoas da pobreza, não são os programas sociais – estes são apenas auxiliares. E a política econômica não é de Lula, é de FHC e do PSDB, mas os governistas fazem questão de REESCREVER A HISTÓRIA e tomar para si tudo de bom que se fez no Brasil e deixar tudo de errado para os “outros”.
A candidata Dilma, para quem não sabe, filiou-se ao PT apenas em 2001 e era considerada “cristã nova” no partido até pouco tempo atrás. E foi da Casa Civil que Dilma “pediu” que fosse concluída rapidamente as investigações sobre a família de Sarney na Receita Federal;  foi lotada na Casa Civil – e a pedido de Dilma – a mulher do representante das FARC no Brasil; foi da Casa Civil que saiu o absurdo programa de “Direitos Humanos “ que previa a censura aos meios de comunicação, a idéia de tirar da justiça a competência para os conflitos agrários e tantos outros absurdos que saíram do órgão durante a sua gestão. 
Não é porque sempre votei no PT que vou votar em Dilma. Não é porque o governo Lula é bem avaliado e foi importante para o país (reconheço os avanços, resultados de uma política que começou ANTES de Lula) que vou votar em Dilma. Não vou votar em Dilma porque ela simplesmente é a candidata de Lula.
Seguindo esta lógica, a da infalível escolha de Lula, então em Alagoas vamos votar em Renan Calheiros e Collor. No Maranhão todos votando em Roseana Sarney, a companheira fiel, e Cia Ltda. Em Pernambuco, lutar pela reeleição de Severino Cavalcanti.  No Pará, Jader Barbalho é o cara! Na Bahia, como  o mensaleiro Josias Gomes é candidato do time de Lula, porque não votar nele?
Para terminar, um trecho da música Tom Sawyer da banda de rock canadense Rush, que expressa o sentimento de liberdade de escolha...


"...Apesar de sua(minha) mente não estar disponível para aluguel
Não o(me) coloque como arrogante
Seu(meu) jeito reservado, uma defesa quieta
Resistindo aos eventos do dia
...Não, sua (minha) mente não está disponível para aluguel
Para nenhum deus ou governo
Sempre esperançoso, ainda que descontente
Ele(eu) sabe (sei) que mudanças não são permanentes
                                                              Mas que mudar é".
Comente. Concorde. Discorde.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Zona cinzenta e o graal

Queria falar sobre política (claro!) mas os fatos, às vezes, se sobrepõem às idéias impondo uma agenda que sequer existia. Tudo começou no final da tarde de segunda quando cheguei em casa mais cedo. Costumo colocar as chaves e documento do carro e casa, carteira, relógio, crahá e o pen drive no mesmo lugar da estante, normal!
Ocorre que, desde a chegada senti a falta do pen drive - e todo o seu conteúdo (trabalho, músicas, escritos, fotos, etc)  - porém não comecei a procurar porque achei que estava no bolso da camisa ou do paletó, escondido na estante, no quarto ou mesmo no carro. 
Como acontece toda segunda à noite, fui ao encontro dos Invisíveis na cidade e foi a partir daí que tudo começou. Ao sair de casa e pegar todas as coisas acima, achei a capa do bendito pen drive, mas o objeto continuou desaparecido. 
Quando cheguei no carro praticamente o coloquei de ponta cabeça e nada! Fui e quando voltei para casa comecei a procurar de verdade, revirando a estante, a cozinha, o banheiro, os sapatos, o armário, a cama, as roupas. Simplesmente desapareceu! Voltei ao carro e recomecei a busca sem qualquer indício. 
Voltei para casa e antes de dormir - já passava de 1h30 da madrugada - fui tomar banho quando percebi um vento frio entrando pela sala de televisão, era uma janela aberta... Foi o suficiente para começar a pensar que alguém tinha entrado em casa e roubado (apenas/por que?) o meu valioso objeto. Vamos combinar que o fato de morar sozinho é um fator preponderante para criação destas maluquices...
Dormi altas horas matutando onde eu o teria deixado. Pela manhã, acordei e logo recomecei a busca no quarto, no banheiro, na cozinha, nas roupas, nos sapatos... Infelizmente, não tinha muito tempo porque tinha horário marcado para a revisão do carro. Na garagem, informei ao porteiro da perda e ele prontamente, junto com uma vizinha, começaram a procurar no meu carro, de novo! Nada encontramos! Pedi para que procurasse na garagem e nos elevadores.
Quando cheguei à concessionária, e depois dos procedimentos de praxe, pedi para que procurassem no carro. Fiquei sabendo que receberia o carro ainda naquela manhã por isso (e pelo temporal que caía na cidade) fiquei aguardando. Ligaram do trabalho, aproveitei e perguntei se alguém tinha visto o pequeno objeto, também não. 
Sentado esperando, passei a me questionar se a memória que eu tinha era a real ou a imaginária. Quando saí do Juizado no Iguatemi tinha a certeza de ter ligado o som, conectado o pen drive para ouvir minhas músicas favoritas até em casa e que aqui chegando o retirei e trouxe junto com as outras coisas. 
E as perguntas foram se avolumando. Deixei cair no Juizado? Voltei mesmo para casa ouvindo as músicas do pen drive? Todos estes momentos eram uma zona cinzenta cheia de dúvidas, tanto que passei a questionar se a minha memória era real ou fruto da minha imaginação ou do estresse diário (nos engarrafamentos monstros que enfrento), sei lá...
Quando voltei de novo para casa, o porteiro me avisou que procurou em todos os lugares, até no poço do elevador, e nada encontrou. Almocei e recomecei a procurar nos mesmos lugares. Toda aquela busca só fortalecia a sensação de loucura e de dúvidas a respeito de minha sanidade mental. Cansado da maratona resolvi cochilar e terminei acordando apenas no começo da noite. Tomei café e vim para a internet "esfriar as idéias" quando decidi voltar a procurar no carro sem encontrar nada. 
Com o cérebro esfumaçando resolvi procurar nos outros lugares da casa, quem sabe o vento  que entrou em casa não o levou para outro lugar? Em certos momentos não conseguia mais fazer qualquer ponderação acerca dos meus pensamentos. Fui aos outros quartos, a dispensa, pensei até mesmo em procurar no lixo mas fui dar uma busca na sala. Acendi todas as luzes e comecei a procurar pelo chão, embaixo de todos os móveis, quando o meu Graal apareceu  caído na almofada da  poltrona junto a porta da sala. 
Estava lá o tempo todo. Quando cheguei em casa com várias coisas na mão - papéis, paletó, chaves - devo ter colocado em cima do braço da poltrona e na hora de pegar deve  ter caído. O que ando a me perguntar agora é por que não procurei lá antes? Porque minhas hipóteses apontavem sempre para o mais improvável, o mais irreal?
Será que estive/era/sou louco?
Comente. Concorde. Discorde.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Absurdos no Atacado

"Felicidade foi-se embora e saudade no meu peito, inda mora", já cantarolava Lupicínio Rodrigues. Talvez em busca da felicidade política o senador brasiliense e ex-ministro da Educação Cristovam Buarque resolveu incluir na Constituição Federal a felicidade como direito fundamental, com o apoio de outros 30 senadores e dezenas de deputados. Os congressistas estão tão empolgados com tal proposição que a Proposta de Emenda Constitucional - PEC da Felicidade - irá tramitar conjuntamente nas duas casas (Câmara e Senado). No final, a PEC será aprovada à unanimidade no Congresso Nacional, afinal quem será contra a felicidade dos seus eleitores? Longe de mim desmerecer iniciativa de tamanha importância e complexidade para o nosso país, mas, por que os nossos representantes não se preocupam com temas/questões menos filósoficas freudianas e mais importantes como as reformas políticas e tributárias? Por que não diminuir a carga de impostos?

Se no Congresso Nacional somos surpreendidos com projetos de lei totalmente imprestaveis (?!), de outro lado, o governo federal envia para análise PL que quer proibir a palmada, aquela que 99% das pessoas já levaram quando era criança. Há exceções, é claro. Quando fala-se em palmada nada tem a ver com tortura e espancamento. Eu levei algumas palmadas quando criança e hoje sei que foram necessárias. Este projeto de lei é mais uma tentativa de ingerência do governo na vida da sociedade. Uma cubanização, bolivarianismo talvez....

Falando em Cuba, o ditador Fidel Castro reapareceu (ou ressuscitou?) e fez uma palestra para os jovens, noticiada pelos meios oficiais (únicos) de comunicação do partido, exaltando o lado humano da "revolução". Ao mesmo tempo, na Espanha, os dissidentes do regime ditatorial celebram os primeiros dias em liberdade. É de difícil compreensão que jovens brasileiros inteligentes, cultos e vivendo sob a égide de uma constituição democrárica sintam-se tão à vontade para ficar tecendo loas ao ditador que há cinquenta anos comanda Cuba com mãos de ferro, torturando e matando os opositores. Estes mesmos jovens que discutiam e bradavam contra qualquer atitude autoritária do último coronel da Bahia, ACM. Afinal, eles lutavam contra um regime ou contra o político?

De volta ao país dos aiatolás, o polvo alemão Paul tornou-se alvo da fúria do ditador iraniano. Com as previsões acertadas o animal transformou-se no símbolo do Ocidente e de tudo o que representa para os fundamentalistas do oriente próximo. Por que a revolta com o molusco? Fosse só isso... O mundo todo está mobilizado para libertar uma mulher condenada a morte ninguém sabe direito porque motivo: adultério, assassinato, adultério na viuvez. A cada nova declaração os aiatolás acusam a mulher de um novo "crime." Desta vez, e depois de apelos vindos de todas as partes do mundo o nosso presidente resolveu se pronunciar se prontificando a receber a mulher que estaria causando incômodos no país. Não satisfeito, o presidente ainda se gabou de ter sido chamado de "emotivo" e "humanitário" pelo ditador atômico. A diplomacia (cabe este termo?) iraniana ainda disse que  Lula não entendia muito do assunto tratado, que vergonha! E a candidata-presidenta, a mãe do PAC e dos brasileiros, a mulher, o que pensa sobre o caso?

Não bastasse toda a love story de Lula com os ditadores nos quatro cantos deste mundo, o Itamaraty, contrariando toda nossa história, enviou carta aos Estados-membros da ONU com proposta para evitar censura pública aos regimes autoritários. Infelizmente não é uma piada. A política externa brasileira vai na contramão da construção de valores universais e dos direitos humanos. Pergunta-se se esta atitude não seria uma medida preventiva para proteger a sua candidata caso a mesma se eleja? 

Voltando à política nacional, mais um projeto de campanha merece uma atenção especial. Vem lá das Alagoas a proposta de campanha do candidato Collor "que é apoiado por Lula e que apóia Dilma": a criação da bolsa-dignidade! Este programa social do caçador de marajás consiste em oferecer às famílias cadastradas no Bolsa-Famíla mais 20% do valor a título de oferecer dignidade ao povo alagoano. Quem diria, um dia Collor e Lula a cada dia mais parecidos, inconfundíveis...
Comente. Concorde. Discorde. 

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Mercado cultural

Quais os critérios de escolha entre F. Chopin ou pagode? Da mesma forma, por que um leitor prefere as tais revistas de celebridade aos clássicos da literatura? E um telespectador, que tem o controle (remoto) nas mãos para decidir que programa de televisão assistir: mundo cão ou jornalísitico? Por que pensar em tudo isso?
Sábado chuvoso em Salvador e dispensa vazia, só há um lugar para ir à noite: o supermercado, que pensava estivesse vazio mas estava movimentado demais para o horário.
Na fila à espera do "chamado" do caixa não passa despercebido que na prateleira  da fila estão estrategicamente postos produtos supérfluos de primeira necessidade: chocolates, salgadinhos e gomas de mascar, além de revistas de celebridades que tratam de assuntos não menos importantes: o ex-marido de fulano engravidou ciclana, ex-mulher de beltrano  que é filho de fulano; a mulher fruta está namorando com o jogador animal; receitas para trazer o amor de outras vidas e as novas descobertas sobre as benesses de um condimento plantado por monges cegos de uma pequena ilha da Nova Guiné.  Do outro lado, porém, estão pocket books - clássicos da literatura nacional e mundial - de Agatha Cristhe, Machado de Assis e jornais. O preço das revistas de celebridade (R$  7,90) é praticamente equivalente aos dos livros (R$ 8,90). Qual escolher?
Também como telespectador temos o controle do que assistir na TV. No horário do almoço há canais abertos que disponibilizam programas que retratam o "mundo cão" da forma mais grotesta e grosseira possível, assim como outros que apresentam programas jornalísticos e esportivos. É o cidadão que tem o controle (no sentido duplo da palavra) para decidir o que assistir. O programa jornalístico está a um clique do mundo cão, quem tem o controle?
Na Bahia, há uma discussão eterna sobre o espaço dos diversos estilos musicais. Os rockeiros são os principais críticos da hegemonia da Axé Music e afins (pagode e forró) no cenário musical baiano. Também sou consumidor do estilo, porém considero "axé" as músicas que tratavam da baianidade e do carnaval das décadas de 80 e 90, na época em que curtia as micaretas em Ipirá. Poucas músicas hoje se encaixam neste perfil e estas geralmente tem o dedo do showman Carlinhos Brown.
E a música clássica, tem espaço na Bahia? Impossível não pensar nisto enquanto não escuta um concerto que reuniu a OSBA e o pianista polonês Jan Krzystof Broja, um virtuose da nova geração de músicos europeus, no Teatro Castro Alves para celebrar o bicentenário de F. Chopin. Não só em eventos restritos como este é possível escutar música clássica na cidade. Durante os festejos do 2 de julho diversas orquestras se revezam na apresentação de concertos para comemorar a nossa independência e poucas são as pessoas que ficam para prestigiar. Por que?
Política cultural é um tema inesgotável, portanto, este escrito não quer nem tem a pretensão de encerrar o assunto mas colocá-lo em pauta. Por que determinada parcela da população que tem acessos a bens culturais mais elaborados simplesmente os ignora? 
Comente. Concorde. Discorde.

sábado, 24 de julho de 2010

Palavras cruzadas

O presidente Lula esteve em Salvador para receber a Medalha 2 de Julho das mãos do governador Jaques Wagner em uma cerimônia protocolar no Palácio Rio Branco em Salvador. A medalha homenageia pessoas que lutam pela democracia e direitos humanos. Pensando bem, internamente a história do presidente está ligada à luta pela redemocratização junto com tantos outros como Franco Montoro, Ulisses Guimarães, FHC, José Serra, Mário Covas. Porém, a política externa do seu governo é paradoxalmente oposta ao apoiar a ditadura do Irã, a cinquenternária ditadura dos Castro em Cuba, as ditaduras africanas e por último, mas não menos importante, a ditadura bolivariana de Hugo Chávez.
Hugo Chávez, aliás, continua livre, leve e solto na consolidação de sua ditadura. A sua última atitude foi assumir o controle da única TV no país que tinha coragem de fazer algum tipo de crítica. O dono da TV está refugiado nos EUA e teve parte de seus bens tomados pelo governo bolivariano. Não bastasse toda fúria contra a democracia interna, o governo da Colômbia denunciou a existência de guerrilheiros das FARC refugiados na Venezuela. 
As FARC - Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia - foram assunto principal na campanha eleitoral esta semana. O candidato a vice-presidente na chapa do tucano José Serra trouxe a tona a incômoda relação de irmandade do PT com o grupo terrorista. É fato que o PT se relaciona com o grupo desde a época do Foro de São Paulo - grupo que reúne a esquerda na América Latina - e muito antes disso as FARC já faziam sequestro e eram ligados ao narcotráfico. Nem o próprio Lula nem o assessor especial da Presidência Marco Aurélio Garcia nunca disseram uma palavra contra as FARC. Nem mesmo a candidata a presidente Dilma, que requisitou pessoalmente que a mulher do representante dos terroristas no país fosse trabalhar com ela. 
Dilma, a candidata governista, foi contemplada com um discurso seu em na cartilha  " Mais mulheres no Poder. Eu assumo este compromisso" produzida pela Presidência da República que seria distribuído entre partidos políticos, políticos e candidatos nos estados pouco antes das eleições. A cartilha é tão ilegal que traz um botão confirma de urna eletrônica na capa, mas não tem nada de eleitoreiro, por que pensar assim? Lula não pensa, assim....
Assim como o presidente Lula, a candidata Dilma também deveria ter sido contemplada com a medalha 2 de Julho, juntamente com Chávez e o representante das FARC no Brasil.
Comente. Concorde. Discorde.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

A ficha caiu?

*Todos os  principais candidatos tem aliados com ficha suja: Serra tem Joaquim Roriz  no Distrito Federal e Cássio Cunnha Lima na Paraíba.  Dilma tem Roseana Sarney - que aumentou patrimônio em 53 vezes - no Maranhão e o pai José Sarney no Amapá. Tem na sua companhia o candidato ao governo - com o apoio de Lula - Collor nas Alagoas e Jáder Barbalho no Pará. Até a verde Marina Silva tem que se acostumar a defender o seu colega de partido o deputado federal Sarney Filho. E viva o clã Sarney!
**Wagner foi a África do Sul dizendo que estava lá para lutar que abertura da Copa 2014 seja na Cidade do Salvador. Só faltou combinar com Lula que não lembrou que existe país fora da Cidade Maravilhosa. Vergonhoso foi o discurso do nosso presidente no lançamento da Copa no Brasil, pensou que estivesse no nosso país onde o que ele diz costuma ser tratado como decreto, ou pior lei, ou pior ainda, dogma. Falando em ficha, lá no estrangeiro são outros quinhentos...
***Durante o seu governo, Lula foi o responsável por criar artifícios para sair de uma crise.  Agora a sua candidata vai pelo mesmo caminho tortuoso. Sobre aquele polêmico programa de governo que o partido entregou ao TSE primeiro ela disse que leu sem assinar (um absurdo!), depois apresentou uma segunda versão ao dizer que rubrica não é assinatura.  A candidata ainda se recusou a responder a esta simples pergunta: Por que quer ser presidente?. Sem a ajuda dos universitários, ou melhor, dos marqueteiros e seus teleprompters, nada feito. Tomara que ela não vença, o país vai gastar milhões nestes equipamentos...
****Em Cuba, com participação da Igreja Católica e do governo espanhol, vários dissidentes políticos serão finalmente libertados e serão enviados - junto com sua família - para a Espanha onde poderão disfrutar de liberdade, em todos os sentidos. Este é um evento que deve ser comemorado por tratar-se de libertação de presos políticos de um regime ditatorial apoiado pelo governo brasileiro. Ao contrário do que afirma o governo Lula, nosso país não esteve envolvido neste ato humanitário, até porque nosso presidente considera os presos políticos cubanos como se criminosos fossem. Apesar da comemoração de todos aqueles que defendem a democracia e a liberdade, fato é que Cuba continua vivendo sob a ditadura dos Castro sem previsão de mudança.
Comente. Concorde. Discorde.

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Corra que a Patrulha vem aí!

Depois de palavras de Saramago fica difícil para qualquer um - ainda mais para mim - escrever sobre qualquer coisa. Mesmo assim não custa arriscar, parafraseando o poeta Damário da Cruz.
Pode parecer que este escrito é sobre o nada (sienfieldificamente falando) ou sobre tudo, mas, na verdade, é o resultado de observações próprias e alheias e, por último e não menos importante, experiências um pouco pessoais...
Para começar: uma pessoa pode ser considerada "anormal" porque não gosta de pipoca? (grifo nosso, digo, meu). Resposta afirmativa! Nada mais constrangedor que está em festa infantil, alguém oferecer um saco de pipoca e você - constrangido - sussurrando falar esta heresia: "Eu não gosto de pipoca!". Pra quê?! "Não é possível, não conheço uma pessoa que não goste de pipoca, isto não existe, é brincadeira", dizem. "Você não é normal, quantas vezes caiu do berço quando era pequeno?", afirmam com convicção. Sendo cinéfilo então é um eterno calvário porque tem que se acostumar a ouvir coisas deste tipo: "Ah, esqueci que você não gosta de pipoca"...
Se você não gosta de pipoca, imagine dizer em um fast food que você não gosta de batata frita? Experimente ir ao Mc Donald's, diriga-se ao caixa (espere o atendente gritar "CAIXA LIVRE!") e faça seu pedido: "Por favor, eu gostaria do sanduíche X, com o refrigerante Y". "O Sr. não prefere a promoção?". "Obrigado, mas quero só o sanduíche porque não gosto de batata frita". É uma experiência única, precisa ver a cara dos atendentes, devem pensar "de onde ele é?", "de que raio de lugar ele saiu?", "quem deixou ele sair do hospício?". É se recuperando do susto do contato de 3º grau com um E.T. e com um sorriso amarelo que  o pedido é entregue. Na saída, percebe-se que está sendo apontado  ao ouvir risos no balcão. Recomendo, por outro lado, não revelar o desgosto pela batata frita em voz alta porque deve ser perigoso demais...

Saindo da seara alimentícia, uma passagem no bar. Imagine-se jovem, morando em um país tropical, em uma terra festeira - principalmente no verão - onde a segunda bebida (não seria a primeira?) é a cerveja. Imagine-se agora sendo obrigado a repetir cada vez que você é convidado para uma cervejinha ou uma gelada que não gosta de nenhuma das duas e que prefere um refrigerante ou mesmo um suco? Diga que a cerveja causa enjôos e será tratado como intocável, dalit mesmo! Só depois de algum tempo é que seus amigos se acostumam, depois de milhares de infrutíferas tentativas de fazer você gostar da bebida...

A patrulha da sociedade é constante só que está imperceptível no cotidiano. Nem sempre é inofensiva e representa idéias dominantes - quase dogmas - que pairam sobre todos.

Ao nascer, o ser humano pensa que sua vida é um livro em branco o qual será escrito à sua maneira. Ledo engano! Ao chegarmos em determinadas idades, somos condicionados a tais comportamentos impostos, tais como: idade para entrar na escola e para sair dela; idade para se formar (alguns também não tem o direito de escolher sua profissão), idade para casar (deve ter para se separar deve ter também!), etc. Nem se dão conta que a expectativa de vida aumentou?!

Grave mesmo é o patrulhamento político-ideológico comum no Brasil em geral, e na Bahia em especial, tão em voga atualmente. É fato que nada existia no Brasil antes de 2002(A.L.), e na Bahia antes de 2006(A.W.), tudo o que aconteceu antes do PT assumir tem apenas duas opções: se é bom foi o PT que fez, mesmo que não tenha feito; se é ruim foram os outros, mesmo que o PT (também) tenha feito.

Mais grave ainda é a absurda idéia de quem critica Lula é anti-brasileiro, deve ser um espião da CIA, do FMI ou do Banco Mundial e quer vender o Brasil. Se Lula fez algo de errado, foi para nosso bem (Amém!) e que o PT só aceita crítica interna (isso mesmo, um petista me revelou) e disse que o partido luta pela hegemonia. Não adianta falar em democracia porque vão falar em Cuba...

Corra que a patrulha vem aí! Tomara que chamem o Recruta Zero!
Comente. Concorde. Discorde.

domingo, 20 de junho de 2010

Metonímia Literária Especial - José Saramaago

Li seis livros do escritor português José Saramago: Ensaio sobre a cegueira, Ensaio sobre a Lucidez, As intermitências da morte, O Evangelho Segundo Jesus Cristo, Caim e A Viagem do Elefante. Deste último, retirei algumas frases que podem significar tudo ou nada, dependendo do leitor. Saramago possuía tanto admiradores  de sua obra quanto pessoas que rejeitavam seu tipo de escrita e sua ideologia, dá para imaginar em que grupo eu me encontro.

“O passado é um imenso pedregal que muitos gostariam de percorrer como se de uma auto-estrada se tratasse, enquanto outros, pacientemente, vão de pedra em pedra, e as levantam, porque precisam de saber o que há por baixo delas”.
“Porque a vida ri-se das previsões e põe palavras onde imaginávamos silêncios, e súbitos regressos quando pensámos que não voltaríamos a encontrar-nos”. 
“A dura experiência da vida tem-nos mostrado que não é aconselhável confiar demasiado na natureza humana, em geral”. 
“Nestas coisas da escrita, não é raro que uma palavra puxe outra só pelo bem que soam juntas, assim muitas vezes se sacrificando o respeito à leviandade, a ética à estética, se cabem num discurso (...) tão solenes conceitos, e ainda por cima sem proveito para ninguém. Por essas e por outras é que, quase sem darmos por isso, vamos arranjando inimigos na vida”. 
“...E num insólito de lucidez e relativização, pensou que, bem vista as coisas, um arquiduque, um rei, um imperador não são mais do que conarcas montados num elefante”.
     Comente. Concorde. Discorde.