quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Sem saída ou ciclos ou a volta dos que não foram ou ressonância...

Aprendemos na escola que a história é feita de ciclos (e que se repetem), ou seja, anos de evolução e outros de regressão se alternando desde o início dos tempos (confesso que este final é meu!). Por que todo esse pensamento? Qual foi o fato que desencadeou toda esta lembrança dos tempos de escola? 
Nada mais, nada menos que a volta - depois de 4 anos - do ditador cubano Fidel Castro à cena política, com toda pompa e circunstância e em um daqueles discursos intermináveis nas escadarias da Universidade de Havana. Como não poderia ser diferente, qual foi assunto preferido do ditador preferido (que Ahmadinejad não me ouça) do presidente Lula? Como alguém que acabou de conversar com o  Nikita Kruschev ou criticar o ex-presidente dos EUA Kennedy, o egresso do Muro de Berlim discursou diante de milhares de estudantes do perigo iminente de uma guerra nuclear entre EUA e Irã. É claro que o evento foi transmitido por todos os (únicos) meios de comunicação oficiais da ilha. Ontem,  também foi divulgada entrevista a um jornalista norte-americano em que o mesmo reconheceu que o modelo cubano não funciona mais, criticou o anti-semitismo do outro ditador admirado por Lula e lamentou a crise dos mísseis entre EUA e URSS na época da Guerra Fria.  Será que el comandante usa a estratégia "mudar para permanecer"?
Outro fato que contribuiu para todo este questionamento foi o fato deplorável do governo francês decidir expulsar os ciganos do país, com o comportamento digno de um nazi-fascista do anos 30/40 ou de um expoente das idéias radicais da Idade Média e mesmo depois de tudo o que presenciamos na Guerra Civil Espanhola e na II Guerra Mundial. Parece que depois de algumas décadas de evolução, de afirmação dos direitos humanos, da liberdade de Woodstock e do maio de 68, da conquista da democracia na América Latina, o estado francês - criador do tripé "Igualdade, Liberdade e Fraternidade" - vem se comportando como o desencadeador do retrocesso.
Ao falar em décadas de 30 e 40, em história, basta olhar para o Brasil daquela época e relacionar com o período político atual. Se no passado tínhamos o Getúlio "Pai dos pobres", Lula nos presenteou com a "mãe do PAC e dos brasileiros" e  a agora "avó da nova geração" está em todo canto, não reparou? Impossível não lembrar nas lições as características do governo de Getúlio Vargas pós Revolução de 30: personalismo na figura do presidente, sindicatos (e associações sociais) pelegos ligados ao governo, perseguição aos opositores, até uma campanha midiática em torno do petróleo (atualmente pré-petróleo ou pré-sal?). É tudo mera coincidência?
Falando em coincidências, voltaram a cena política os chamados aloprados, conceito do presidente Lula para os militantes do PT especialistas em produção de dossiês contra os adversários, principalmente os ligados ao PSDB, mas que nada tem a ver com ele (óbvio e com o partido!). Os aloprados dilma figa desta vez estão lotados na Receita Federal, órgão que deveria ser o responsável por manter sigilosos os nossos dados, mas que está sendo utilizado para fins escusos com objetivos eleitoreiros. Pior que o fato em si é assistir o presidente da República e o seu partido culparem as vítimas por tais crimes.
Estamos em um beco sem saída? São ciclos da história? A volta dos que não foram? Ressonâncias?
Comente. Concorde. Discorde.

8 comentários:

  1. Roselita Costa Rodrigues10 de setembro de 2010 11:27

    Gostei muito do seu artigo Cintra,principalmente do seu Estilo,leve e de fácil compreensão,quem escreve,escreve para que o outro o entenda.Parabéns.Obrigada pela defesa dos ciganos.

    ResponderExcluir
  2. Eli Ferreira de Almeida10 de setembro de 2010 11:36

    Retrocesso meu caro Cintra, eis a palavra mais adequada, relembrando o passado e analisando o presente, me pergunto,aonde esta a logica dos macetes politicos. Se houve coragem para assumir que o modelo cubano não funciona mais,com base em que se pode dizer que um dia funcionou? Mudar para permanecer é a estratégia mais sem nexo que se pode imaginar, é a verdadeira prova de falta de compromisso com seus (dele é claro)ideais politicos, é assumir que tudo que se foi ditado em 49 anos foi um desacerto total.

    ResponderExcluir
  3. Dá uma espiadinha nestes blogs:

    http://www.petitiononline.com/mod_perl/signed.cgi?1brasil

    http://coturnonoturno.blogspot.com/

    Estamos num beco sem saída !

    ResponderExcluir
  4. Roselita, agradeço suas palavras ao mesmo tempo em que te convido para visitar este espaço sempre que desejar.
    Eli, bom te ver por aqui também!
    Tariza, já estive lá, obrigado pela dica!

    ResponderExcluir
  5. O povo latino adora cultuar "vultos",é um povo que depende da fantasia popularesca pra poder sobreviver.Esse tipo de comportamento em países como o nosso, torna-se um ninho com clima ideal para a proliferação dessses "ídolos" que induzem a população a viver de sonhos como por exemplo:eu vou fazer um show nos states,vou colar um retratão no Madison, levar a brazucada pra bater palmas pra mim e aí eu vou ser "internacional"!!!Acorda, 3º mundo!!

    ResponderExcluir
  6. Cada vez que te visito aqui, filho, mato minha sede de conhecimento. Como disse a amiga Roselita, seus comentários são claros e objetivos. Esclarecem e claream os nossos pontos de vista. Parabéns por esse artigo!

    ResponderExcluir
  7. Amigo,vejo que teu blog tomou um impulso que sinceramente, eu ja esperava por isso.Trata-se de um sucesso merecido,pois és além de competente,perseverante quando queres atingir metas,parabéns!!!

    ResponderExcluir
  8. Oi,

    Acabei de ler seu blog. Muito bacana os textos. Como faço para falar com você sobre a Rede Mercadante? Gostaríamos de apoiar e divulgar seu blog na nossa rede.
    Escreva para mim no email blogosfera@mercadante13.com.br
    Abraço!
    Iza Freitas
    Assessoria de Imprensa – Novas Mídias
    Rede Mercadante
    www.redemercadante.com.br
    Twitter @_BelinhaFreitas

    ResponderExcluir

Comente. Concorde. Discorde. Pense. Reflita